[RESENHA] A esperança, de Suzanne Collins.

Não preciso nem dizer que nessa resenha falarei um pouco dos fatos ocorridos nos outros dois livros da trilogia, né? Se você ainda não leu Jogos Vorazes, confira a resenha do livro clicando aqui. Se você ainda não leu Em Chamas, confira a resenha do livro clicando aqui. Não diga que não avisei.  Nome: A Esperança.  Autora: Suzanne Collins Editora: Rocco Jovens Leitores Edição: 1 Ano: 2011 Paginas: 424 Tradutor: Alexandre D’Elia ISBN: 9788579800863 Sinopse:  Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução. A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo. O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra? Acompanhe Katniss até o fim do “thriller”, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança. Comentários: A forma como acontece o desfecho dos acontecimentos de toda a história me deixou pensativo por vários dias. Não vou fazer uma análise baseada no que eu gostaria que tivesse acontecido ou não. Vou falar sobre os sentimentos e impressões que tive com a leitura. Disse que fiquei encantado e esse tipo de leitura que eu considero de qualidade, aquela forma de arte que provoca emoções, que nos faz pensar, que nos revolta por não ser como o leitor imagina, que te dá vontade de pedir para o autor: e porque não foi desse ou daquele jeito? Será que o personagem X está feliz com o que você decidiu para ele? Esse era o único desfecho possível ou era o mais próximo do real. Fugindo das analogias simplistas de a Katniss ficou com essa ou com aquela pessoa por causa disso ou daquilo, acho que dentro do padrão que tiveram os três livros não poderia ser muito diferente. Finais de contos de fadas não combinam com um país pós-guerra, com intrigas, golpes, onde não se sabe em quem acreditar. É mostrado que a protagonista não é necessariamente uma heroína e sim, um peão, assim como todos nós, uma peça em um jogo que começou muito antes da nossa existência. Em meio a toda a loucura crescente, tentamos levar a nossa vida normal, da forma mais confortável possível. Kat tenta sobreviver à sua realidade, cresceu em um contexto onde sonhos e esperanças não podem ser cogitados. O que importa é ter o que comer para o dia de hoje e ponto. Sem muito conhecimento sobre a real situação de todo o país, ela se revoltou quando a injustiça do sistema vigente atingiu a sua própria família, mostrando que nos anos anteriores ela apenas assistia as tragédias dos seus conterrâneos, sabendo que nada poderia fazer para interferir. A ironia de tudo ter começado para salvar a vida da sua irmã, chega a ser dolorida no fim da história, cada ato tem inúmeras consequências e ela passa a perceber que não depende só dela. O material para a revolução já existia, ela foi apenas a faísca que disparou todos os acontecimentos. A história continua sendo de fácil leitura e espero que todos possam perceber que isso vai além de uma simples guerra, as reflexões do livro nos mostram os detalhes, a forma como o que pensamos e fazemos podem influenciar nessa cadeia de ações. E que as relações dos seres entre si vão além de um lindo olhar ou de um corpo musculoso. O que nos dá sustentação vai muito mais além, é quem está ao seu lado, é quem acredita em você, é quem te protege mesmo você não merecendo. A astúcia da Kat apesar de toda a confusão que criam em sua mente continua existindo. Seu temperamento difícil, também. Vale muito a pena a leitura, cada personagem tem seu próprio desfecho. Seja passando a fazer parte de tudo o que um dia abominou, seja tentando se recuperar de todo o sofrimento imposto pela Capital. As marcas ficam no corpo e na mente de todos os participantes dos Jogos Vorazes, o medo nunca vai embora e as perdas não podem ser substituídas, o que se pode fazer é reunir forças para seguir em frente, pensar em si e ter esperança de que, um dia, a humanidade dê valor ao que realmente importa. A quem achou ruim o fim, pense, como as pessoas são tratadas em nossa sociedade? O que importa o caráter ou o dinheiro, o status? O que você faz muitas vezes é esquecido. Não é só em Panem que a realidade é difícil. Diagramação:  Sou muito grato a Rocco pelo ótimo material recebido. O livro segue o padrão dos dois outros (e de praticamente todos da editora): folhas amarelas, boa tradução, poucos erros ortográficos. Como problema, posso citar a lombada do livro, ou melhor a cola da lombada, pois já vi vários (vários mesmo) leitores reclamando da insuficiência da Rocco nesse quesito. Com o meu A esperança não aconteceu, mas com meu livro Insurgente (segundo da trilogia Divergente) sim.  Espero que um dia isso seja resolvido, se não, provocaremos uma rebelião como aconteceu no livro citado! Aproveitando a oportunidade, não seria nada mau abaixar o preço dos livros, hein? Haha! Comentários extras: Decidi criar essa categoria de última hora porque como todos sabemos, o filme está chegando e eu estou muito, muito, MUITO animado para ver os acontecimentos deste livro nas telonas! Pra mim, A esperança não foi o melhor livro da trilogia (ao contrário, foi do que eu menos gostei), mas depois de ver os teasers, as stills e ficar lendo todos aqueles tweets/posts da Paris Filmes (distribuidora dos filmes da trilogia no nosso país) acho que será o melhor filme! Vocês tem noção do que será ver a batalha épica em cores?! Eu sei que quando lemos conseguimos imaginar, mas ver (VER) aquilo tudo vai ser demais!!! Espero que vocês estejam tão ansiosos quanto eu! Até a próxima, tributos (ou pessoas que serão tributos em breve!).

Meu nome é Katniss Everdeen. Tenho dezessete anos. O meu lar é o Distrito 12. Participei dos Jogos Vorazes. Escapei. A Capital me odeia. Peeta foi levado como prisioneiro. Imaginam que ele esteja morto. Há uma grande chance de ele estar morto. Provavelmente é melhor que esteja morto…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s